Olá naturais.

Descortinados alguns sistemas de classificação do nosso cabelo neste artigo, chegou então a hora de conhecermos mais detalhadamente cada um dos sistemas, de forma a que, no caso de necessidade, possamos escolher aquele que melhor serve para os nossos objectivos. Assim sendo, vamos começar nada mais, nada menos, pelo famosíssimo sistema de classificação de Andre Walker. 

SISTEMA DE ANDRE WALKER

De forma resumida, na parte 1 desta série de artigos, ja explicamos que o sistema de tipificação de cabelos de Andre Walker divide o cabelo em quatro categorias (de 1 a 4), que variam do mais liso ao mais crespo, respectivamente e dentro destas grandes categorias, ainda temos subcategorias específicas (a, b, c). Neste artigo vamos ver com maior detalhe cada uma destas classificações e qual a melhor maneira de lidar com com determinado tipo de fio. Vamos a isto:

Cabelos Tipo 1

De uma maneira geral estes são os cabelos mais lisos, que não apresentam nenhum tipo de curvatura, da raiz a ponta. Este tipo de fio é bastante resistente e apresenta um brilho natural, visto que a oleosidade natural produzida pelo couro  consegue ser transferido da raíz até as pontas, devido a inexistência de ondas.

Tipo 1a – este é o famoso “cabelo lambido”. Ele é fino, com bastante brilho e tendencialmente oleoso e quase nenhum volume. Por ele ser bastante fino, nem sempre é fácil estiliza-lo (é o tipo de cabelo que mal segura um travessão), sendo resistente a tentativas de ondulação. Neste tipo de cabelo o aconselhável é usar produtos de textura leve para não deixa-los com aspecto gorduroso e pesado. As linhas destinadas a cabelos oleosos são de grande ajuda e se forem associadas a produtos para dar algum volume, podem ser alcançados resultados fantásticos. Este é o tipo de cabelo no qual o uso de shampoo com Sulfatos deve ser mais frequente.

Tipo 1b – este fio, apesar de liso é de densidade média, mais encorpado e volumoso que o tipo 1a. Ainda assim apresenta brilho e é de fácil estilização. Embora os fios sejam mais grossos que os cabelo tipo 1a, os produtos para este tipo de cabelo também devem ser leves, no entanto podendo ser alternados na hora da hidratação com um condicionador ou máscara mais potente, ocasionalmente e dependendo do estado dos fios.

Tipo 1c – aqui em Maputo chamaríamos este tipo de “cabelo das indianas”. Embora esta não seja uma regra, este tipo de cabelo é bastante comum nas pessoas de origem asiática. Os fios são rectos e grossos (chega a ser possível, por vezes, visualizar um único fio de cabelo facilmente). Por ser mais grosso, também apresenta alguma resistência a estilização. Quem tem este tipo de cabelo deve investir em produtos que diminuam a oleosidade do couro e em reparadores de pontas, no entanto, ainda assim, os produtos devem ser leves para não pesar.

Type-1-Straight-Hair

Cabelos Tipo 2

Cabelos do tipo 2 são os chamados cabelos ondulados. Geralmente eles apresentam o formato em “S” e aceitam facilmente a estilização. Em termos de oleosidade estes fios são relativamente balanceados, ou seja, nem muito oleosos, nem muito secos. A sua raiz geralmente mais baixa, tende a ser confundida com a dos cabelos lisos quando curtos, no entanto o fio vai abrindo e formando ondas ao longo do comprimento. Ele possui brilho, porém em menos quantidade que os cabelos do tipo 1, devido a pequena dificuldade que a oleosidade natural encontra em descer do couro até a ponta por causa das ondulações. Estes fios não são ondulados, mas também não formam espirais como os cabelos encaracolados e são mais susceptíveis ao frizz.

Tipo 2a – estes fios são finos e bastante estilizáveis, pois podem ser facilmente encaracolados ou alisados. Possuem pouco volume e as suas ondas são as mais abertas, embora ainda assim sem serem lisas e costumam ter as pontas mais ressecadas. Como este tipo de fio tem pouco volume, o ideal é usar produtos leves como mousses ou gel em oposição a cremes ou manteigas. Finalizar amassando o cabelo de baixo para cima também ajuda a defini-lo melhor.

Tipo 2b – este tipo de cabelo é mais resistente a estilização e as suas ondas tendem a aderir ao formato da cabeça e são mais fechadas que o anterior tipo. Os fios são mais ásperos e rebeldes e com mais frizz, sendo mais volumosos que o tipo 2a. Os mesmos finalizadores adequados para o tipo 2a, servem para o tipo 2b, devendo ser incrementados com produtos anti-frizz.

Tipo 2c – este cabelo é mais encaracolado no topo, mas ainda assim mantém a raíz lisa, embora em menor largura que as categorias anteriores. Ele é mais grosso e tem bastante frizz. Este é tipo de cabelo que quase cacheia, só que não, e isso muitas vezes deixa “azamigas” bem frustradas, pois ele não é totalmente liso, mas também sem uma boa estilização ele não cacheia direito. Só que por ser mais grosso, ele é mais resistente a estilização. Neste tipo de cabelo os Twist-out, Bantu Knots outs ou rolos podem até ter o efeito inverso, em vez de texturizarem, podem fazer com que ele perca definição. Quem tem este tipo de cabelo deve caprichar em mousses e produtos anti-frizz. Deixar ele secar ao natural e usar acessórios de cetim ou seda também ajudam bastante. Bem finalizado, ele pode até se confundir com um cabelo 3a, que é o que vamos analisar a seguir.

Type-2-Wavy-Hair

Cabelos tipo 3

Estes são os famosos cabelos encaracolados, meu sonho de consumo de infância. Desde pequena que eu acho os cachos e caracóis bem interessantes e muito mais “animados” (por favor ignorem aqui a mania que tenho de atribuir características de seres vivos a seres inanimados, é defeito de fabrico mesmo). Pois é os cabelos Tipo 3, tem um formato em “S” bem mais apertado que os cabelos tipo 2 e não possuem o brilho dos dois grupos anteriores, pois as cutículas não se “deitam” totalmente, como acontece com os cabelos lisos, e isto dificulta a reflexão da luz. Se geralmente bem cuidados eles apresentam-se macios ao toque. Os seus caracóis são geralmente bastante simétricos e do tamanho de um dedo e bem próximo da raiz. São fáceis de estilizar e modelar e quando expostos a humidade “frizam” facilmente. Este tipo de cabelo 3a como já havia mencionado no artigo precedente deste tema, não fazia parte da classificação original de Andre Walker, tendo sido criado uma comunidade de membros de uma página web destinada a cabelos naturais encaracolados. Caso goste de muito volume para estes cabelos terá de levantar a raíz dos mesmo com a ajuda de um pente-garfo.

Tipo 3a – os cachos deste tipo são mais largos, abertos e bastante simétricos e espaçados.  A semelhança da maior parte dos cacheados ele não deve ser penteado seco, sendo necessário para tal humedecê-lo. Por causa do seu formato, as suas pontas são mais secas e por isso requerem maior hidratação. Para este tipo de cabelos e, para valorização da sua beleza natural, o ideal é o uso de leave-in e fixadores (gel e spray) leves. Um serum (gotas na nossa língua popular) anti-frizz ajuda a controlar os fios arrepiados, desde que não seja pesado e caso não queira secar ao natural, não deixe de usar o secador com difusor.

Tipo 3b – os caracóis deste tipo de fio são mais apertados que o tipo 3a, no entanto também bem definidos. Eles possuem mais volume e mais frizz que o tipo anterior e são mais resistentes a estilização. A semelhança do tipo precedente, eles não podem nem devem ser penteados a seco e requerem hidratações constantes para a sua saúde. O uso de cremes para pentear hidratantes é indispensável e podem ser de textura leve a média. E claro que um bom reparados anti-frizz não pode faltar.

Tipo 3c – na categoria dos cacheados estes tem os caracóis mais apertados, menos espaçados, porém definidos. Eles são quase crespos, no entanto e diferentemente deles, depois de penteados eles voltam ao seu formato inicial. Estes fios cacheiam desde a raiz até as pontas e são mais espessos e volumosos. Para mantê-los bonitos e saudáveis, a hidratação deve ser rotineira e com máscaras potentes. A aplicação dos produtos deve ser em forma de “enluvamento” (movimentos verticais e repetitivos ao longo do comprimento da mecha) para auxiliar a penetração dos produtos. Os ativadores de cachos e cremes de pentear hidratantes são seus companheiros de batalha, bem como todas as técnicas mencionadas anteriormente.

Type-3-Curly-Hair

Cabelos tipo 4

Chegamos a nossa casa, ou pelo menos a casa da maioria da população africana/afro descendente duma forma geral, e mais particularmente da população moçambicana. Este tipo de cabelo e o cabelo crespo (vulgo carapinha). Embora estes fios aparentem ser fortes e resistentes, eles são, na verdade os mais frágeis e ressecados de todo este sistema, pois devido ao seu formato em espiral apertadíssima ou em zigue-zague, a oleosidade natural produzida pelo nosso couro não consegue “viajar” ate a a ponta do cabelo. As suas cutículas são mais finas e por este motivo ele é mais susceptível de sofrer danos da acção externa (secador, chapinha, vento, atrito, sol, etc). Ele é de forma geral mais opaco que os outros tipos e tem um factor de encolhimento muito grande, chegando ate a 75 % ou 80 % do seu tamanho real. No entanto, quando bem cuidado ele cresce muito bem e fica lindo. Andre Walker também não desenvolveu muito esta categoria, pois para ele era bem simples: caso se consiga ver um padrão de caracóis os cabelo será 4a, caso não, trata-se do tipo 4b. A semelhança do cabelo 3c, o 4c também foi adicionado pela comunidade natural.

Tipo 4a – estes fios estão bastante próximos do tipo 3c, apresentando caracóis muito mais apertados, menores e mais agrupados, em formato de parafusos. Estes fios perdem a forma quando penteados e ganham volume.

Tipo 4b – estes fios são semelhantes ao cabelo 4a, só que muito mais apertado. O seu formato é mais angular, em zigue-zagues.

Tipo 4c – aqui não é possível identificar qualquer tipo de definição. Os fios são muito entrelaçados e tem um grande factor de encolhimento. Podemos dizer que estes  são os mais frágeis da classe e que uma boa ideia é mantê-los esticados a maior parte do tempo, para evitar um maior entrelaçamento.

Type-4-Coily-Hair

E porque este é o nosso tipo de cabelo, a nossa riqueza e a nossa coroa (e claramente porque são os mais frágeis), vou aqui dedicar um pouco mais de tempo com as dicas para mantê-lo na sua melhor forma. De uma maneira geral, os cabelos tipo 4 requerem os mesmos cuidados, a saber:

  • Nunca, mas nunca mesmo tente pentear ou desembaraçar o cabelo totalmente seco. Humedeça ligeiramente os fios e aplique algum tipo de lubrificante (óleo ou condicionador)
  • Use mais os dedos em vez de pentes ou escovas para desembaraçar, de forma a poder sentir melhor os fios e parar para desfazer um nó quando necessário;
  • Capriche na hidratação, de preferência semanal ou quinzenalmente;
  • Use e abuse dos óleos vegetais, os fios agradecem;
  • Evite fontes de calor directamente nos fios
  • Use mais penteados protectores
  • Como eu costumo dizer: dê mais atenção aos mais velhos, isto é, as suas pontas, elas são a parte mais frágil do seu fio.
  • Invista em manteigas e óleos para selar a hidratação nos seus fios.

Espero ter ajudado e até ao próximo artigo.